Notícias do PET-EF

PET EF no Facebook

Visitas

Bem vindo
Visitante

Já existem:



3 usuário(s) online (1 usuário(s) navegando na seção: Textos)

Usuários: 0
Visitantes: 3

mais...
Textos > Artigos > SILVA, O. G. T. ; VILETE, A. O. P. ; ROCHA, B. P. ; THOMPSON, D. R. ; SILVA, E. V. ; LORETE, J. C. ; ASSIS, L. C. ; FERREIRA, L. N. ; BARCELOS, M. ; MACHADO, M. F. ; GONCALVES, M. G. S. ; VALERIO, Q. B. S. ; FERREIRA, T. M. A. . Projeto Educação Física no Ar:um relato de experiência. 2011. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

SILVA, O. G. T. ; VILETE, A. O. P. ; ROCHA, B. P. ; THOMPSON, D. R. ; SILVA, E. V. ; LORETE, J. C. ; ASSIS, L. C. ; FERREIRA, L. N. ; BARCELOS, M. ; MACHADO, M. F. ; GONCALVES, M. G. S. ; VALERIO, Q. B. S. ; FERREIRA, T. M. A. . Projeto Educação Física no Ar:um relato de experiência. 2011. (Apresentação de Trabalho/Congresso).

PROJETO “EDUCAÇÃO FÍSICA NO AR”: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

 

Otávio GuimarãesTavares da Silva[1]

Aron de Oliveira Pereira Vilet[2]

Beatriz Péterle da Rocha2

Donaldson Rodrigues Thompson2

Eduardo Viganor Silva2

Juliana Canuto Lorete2

Lívia Carvalho de Assis2

Lorena Nascimento Ferreira2

Marciel Barcelos2

Mariana França Machado2

Mirela Geane dos Santos Gonçalves2

Quéren Barbosa Siqueira Valério2

Thayse Mayan Alarcón Ferreira2

 

 

RESUMO

O presente artigo relata a experiência do grupo PET/CEFD/UFES[3] em parceria com a Rádio Universitária FM (104,7MHz[4]), no projeto “Educação Física no Ar”. Relatamos as etapas de desenvolvimento do programa, o qual perpassa, pela produção, gravação e transmissão dos textos. Os assuntos contemplados referem-se à área da Educação Física. Este programa tende a proporcionar experiências e conhecimentos aos alunos bolsistas e graduandos envolvidos no projeto e transpor informações pertinentes da área de Educação Física para o público ouvinte da rádio.

PALAVRAS - CHAVE: Educação; Rádio; Educação Física.

 

 

ABSTRACT

This article describes the experience of the group PET/CEFD/UFES3 in partnership with University Radio FM (104.7 MHz)4, design "Physical Education in the Air”. We report the development stages of the program, which runs through the production, recording and transmission of texts. Subjects covered refers to the area of Physical Education. This program tends to provide experience and knowledge to scholars and graduate students involved in design and incorporate relevant information from the area of physical education for the public radio listener.

keywords: Education; Radio; Physical Education.

 

 

RESUMEN

Este artículo describe la experiencia del grupo PET/CEFD/UFES3 en colaboración con la Universidad de radio FM (104.7 MHz)4, el diseño "La educación física en el aire". Se presenta las etapas de desarrollo del programa, que funciona a través de la producción, grabación y transmisión de los textos. Los temas cubiertos se refiere al área de Educación Física. Este programa tiende a proporcionar experiencia y conocimientos a los estudiosos y estudiantes de posgrado involucrados en el diseño e incorporar la información pertinente del área de la educación física para la escucha de la radio pública.

PALABRAS – CLAVE: Educación; Radio; Educación Física.

 

 

INTRODUÇÃO

 

A primeira transmissão de rádio no Brasil aconteceu no ano de 1922, por iniciativa da empresa Westinghouse Eletric (CARVALHO e CARVALHO, 2005), naquela ocasião para a transmissão de um pronunciamento do então presidente da república Epitácio Pessoa.

 

Todavia, a primeira rádio a operar no Brasil se chamava “Rádio Sociedade do Rio de Janeiro”. Nela ocorreu a primeira iniciativa de educação à distância quando o Professor Edgard Roquete Pinto, juntamente com a sua filha Beatriz, comandavam um programa educativo que se chamava “Quarto de Hora Infantil” (CARVALHO e CARVALHO, 2005).

 

No âmbito da Educação Física, a mais antiga e também mais duradoura iniciativa de um programa radiofônico, foi inaugurada em 1932 pelo Professor de Educação Física Oswaldo Diniz Magalhães. Magalhães implantou um programa de ginástica pelo rádio chamado de “Hora da Ginástica”, e que ficou no ar por 51 anos, de1932 a 1983. Quando perguntado o porquê da criação deste programa, o próprio professor Oswaldo Diniz Magalhães, em entrevista ao professor Sergio Carvalho disse que:

 

[...] Naquele tempo, a Educação Física ainda não tinha a eficiência técnica desejada. Eram poucos os professores preparados, e as atividades físicas não tinham o controle necessário. Com o passar dos anos a, Educação Física no Brasil alcançou nível técnico e pedagógico, assegurando ao nosso povo todos os meios de melhorar a saúde e aumentar a sua capacidade de trabalho (Revista E.F., 2003, p. 11).

 

Existiram, ainda, outros fatores que levaram o Professor Oswaldo Diniz Magalhães a criar um método de ginástica através do rádio, tais como o baixo nível de saúde da população, a pouca aplicação das atividades físicas e os precários recursos técnicos pedagógicos da difusão educativa em todo o território nacional. Segundo ele, naquela época, o rádio era o meio mais poderoso para reverter esse quadro preocupante da população brasileira (Revista E.F., 2003, acesso em 07 de abril de 2011).

 

Os ensinamentos do Professor Magalhães não ficavam apenas nos exercícios físicos ditados por ele ao vivo pela Rádio “República do Rio de Janeiro”, ele também criou o “Código do Bom Cidadão”, o qual definia que “A Ginástica beneficia a grande massa humana. É a ‘Base’ que torna possível o ponto mais alto onde se unem a saúde física e moral” (Revista E.F., 2003, acesso em 07 de abril de 2011).

 

É no seio desta tradição histórica que se insere o programa Educação Física no Ar transmitido pela Rádio Universitária (104,7 FM) como iniciativa do grupo do Programa de Educação Tutorial do Centro de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Espírito Santo (PET/CEFD/UFES), resgatando o elo existente entre a Educação Física e o poder educativo das rádios. Além disso, esta iniciativa também contribui para que se realize de um dos eixos/objetos do Programa PET, que é o de oportunizar aos bolsistas e demais estudantes a possibilidade de ampliar a gama de experiências em sua formação acadêmica (MEC, 2006).

 

Uma vez que as experiências são também formas de aprendizado, podemos dizer que:

 

“[...] o que faz a experiência formadora é uma aprendizagem que articula, hierarquicamente, saber-fazer e conhecimentos, funcionalidades e significação, técnicas e valores num espaço-tempo que oferece a cada um a oportunidade de uma presença de si [...]”(JOSSO apud SOUZA e MIGNOT. 2008).

 

Parece-nos importante também ampliar as formas de comunicação e diálogo do curso de Educação Física com a sociedade em geral. É necessário construir uma visão mais rica sobre o que é a Educação Física, enquanto curso/profissão, como uma área de conhecimentos e possibilidades de intervenção social.

 

 

PRÉ-PROJETO

 

No mês de maio do ano de 2010, o projeto “Educação Física no Ar” foi pensado e formulado no âmbito do Programa de Educação Tutorial, tendo como principal vertente a extensão. Concluída a elaboração do projeto, enviamos o esboço para a Rádio Universitária (104.7 FM), apresentando nossa proposta para os produtores que logo mostraram interesse na parceria.

 

De maio a agosto do mesmo ano, tivemos reuniões com a equipe da rádio e, a partir destes encontros, reformulamos o projeto de acordo com as necessidades básicas que um programa de rádio precisa ter. Em primeira instância, nossa proposta de projeto era de um programa que fosse ao ar duas vezes por semana, com duração de cinco minutos, onde a programação seria composta por uma breve entrevista com profissionais da área, número musical escolhido pelos alunos do curso de Educação Física da UFES e um quadro chamado “Pergunta que o PET Responde”. No entanto, os produtores acreditaram que, se o programa fosse ao ar todos os dias, ele teria seu espaço e sua identidade melhor definidos na programação da rádio. Assim, foi decidido que este teria como formato a leitura de pequeno texto informativo, com duração de um a dois minutos no máximo e exibido duas vezes por dia.

 

 

PRODUZINDO TEXTOS

 

Como o Projeto foi elaborado/discutido em época de Copa do Mundo[5], os bolsistas do PET ficaram responsáveis por produzir textos que, a princípio, giravam em torno dessa temática, objetivando mostrar uma visão mais ampla e crítica das questões que envolvem esse mega evento esportivo, tais como: curiosidades sobre o evento, lesões, questões políticas, questões de gênero, dentre outras.

 

Todos os textos produzidos tinham seus conteúdos revisados pelo Professor Tutor do grupo e, após essa fase, eram enviados para o coordenador da Rádio Universitária, o jornalista Léo Cobal, que fazia uma revisão técnica, de acordo com as peculiaridades do programa e da comunicação pela rádio. Com as revisões técnicas, o tamanho dos textos e a linguagem que utilizávamos neles sofreram alterações. Fomos direcionados pela equipe da Rádio a escrever de forma mais simples e objetiva, tendo em vista que os ouvintes são, em sua maioria, leigos em relação aos conteúdos. Além disso, os textos também deveriam ter características atrativas, com expressões que aguçassem a curiosidade dos ouvintes. No primeiro momento em que fomos informados sobre as alterações que deveríamos fazer nos textos – para que esses se tornassem atrativos aos ouvintes - , tivemos dificuldades em passar os conteúdos a serem abordados em poucas linhas, com uma linguagem menos técnica e, ainda, atrativa aos ouvintes. Porém, com a prática da escrita, reuniões constantes com os produtores e coordenadores da Rádio Universitária e as gravações, essa tarefa se tornou menos complexa.

 

Passado o período da Copa do Mundo, sentimos a necessidade de ampliar os conteúdos para além do futebol, já que este é apenas um dos conteúdos da Educação Física. Assim, passamos a produzir textos a partir de outros conteúdos da profissão como: a dança, a ginástica, a musculação, os jogos, as lutas, os esportes, a saúde, a recreação, as brincadeiras, o lazer, a Educação Física escolar, a Educação Física na Educação de Jovens e Adultos (EJA), a Educação Física e/na/para a terceira idade.

 

Desde o início do processo de construção de textos até o presente momento, elaboramos cerca de setenta e oito textos, com temáticas como as descritas no parágrafo anterior. Devido à grande demanda de produção de textos a ser realizada, o grupo PET decidiu convidar alunos e professores do Centro de Educação Física e Desportos (CEFD) da UFES para elaborarem textos de acordo com o projeto, no entanto, não tivemos retorno dos mesmos.

 

Para facilitar a compreensão da elaboração dos textos, segue abaixo alguns exemplos de textos que foram produzidos pelos Bolsistas e revisados pelo Tutor e pelo Coordenador da rádio:

 

Destino Traçado na Copa do Mundo.

 

“A Seleção Brasileira da copa do mundo de 1958, disputada na Suécia, foi marcada por uma curiosidade em relação à numeração das camisas do jogo. Próximo ao início da copa, os dirigentes do Brasil não haviam enviado à FIFA a numeração dos jogadores. A entidade, então, precisou definir o número das camisas dos brasileiros. Por obra do acaso, o até então reserva Pelé, com 17 anos de idade, recebeu a camisa 10. Foi a partir daí que essa camisa passou a ser associada ao craque do time. Ao tornar-se uma lenda do futebol mundial, Pelé eternizou a camisa 10 com seu repertório de jogadas e gols espetaculares ajudando o Brasil a ser, pela primeira vez, campeão de uma copa do mundo”.

 

 

10 Milhas Garoto: Dicas Para Corredores Amadores.

 

“No dia quinze de agosto será realizada a vigésima primeira dez milhas garoto. O evento, como todo ano ocorre, contará com a presença de competidores profissionais e amadores. Para os amadores, é importante salientar algumas dicas. A primeira delas é a utilização de calçados adequados para esse tipo de prova, evitando assim lesões em músculos, articulações e ligamentos. Exames cardiológicos prévios devem ser feitos para garantir se a você está apto a correr. Outro cuidado é ter uma alimentação balanceada. Por fim, é importante frisar que para terminar bem uma corrida de rua, o corredor precisa ter uma rotina de treinamento, desenvolvendo assim resistência muscular e cardio-respiratória. Esses e outros cuidados garantem a realização da prova sem conseqüências sérias a saúde”.

 

 

GRAVAÇÃO E TRANSMISSÃO[6]

 

Os produtores da Rádio Universitária nos convidaram a gravar os textos que produzimos, objetivando nos proporcionar novas experiências que estão além da nossa formação enquanto professores de Educação Física. São experiências que nos proporcionam conhecimento das relações que se estabelece com o processo formativo e com as aprendizagens construídas ao longo da vida, contemplando, assim, uma característica de formação do Programa PET.

 

Primeiramente, as gravações eram realizadas uma vez por semana. Formamos duplas e nos revezámos semanalmente para as gravações. Inicialmente todos os bolsistas tiveram certa dificuldade no momento da gravação, sobretudo com a locução, que exigia técnicas específicas do modelo do programa. A partir desta demanda proveniente dos bolsistas, fomos orientados (informalmente[7]) pelos produtores da Rádio Universitária, através de dicas de produção de texto e questões que permeiam a locução como a dicção, a pontuação das frases, a respiração, as pausas na leitura, a entonação e a interpretação dos textos.

 

Depois, os produtores e coordenadores da Rádio nos propuseram um mini-curso de produção de texto nos moldes do programa e, mais tarde, um mini-curso de locução para, no máximo - se possível -, quatro bolsistas. Segundo eles, essa proposta nos foi apresentada pela necessidade da formação da identidade do Programa “Educação Física no Ar”, com a justificativa de que a voz é uma propriedade marcante na construção da identificação de um programa radialístico. Com isso, o grupo PET decidiu que a proposta era significativa e, desde então, a estruturação das funções dos bolsistas no Programa é a seguinte: todos os bolsistas produzem textos e quatro bolsistas (decisão feita em reunião com todo o grupo PET do CEFD presente) foram definidos para a função de locução/gravação dos textos.

 

 

O uso e apropriações dessa aprendizagem nos ajudaram a pensar nossa prática pedagógica e aprimorar nossos recursos como professores que vivem em constante diálogo com os discentes e, também, docentes.

 

O Programa “Educação Física no Ar” estreou em Setembro de 2010, sendo a programação[8] transmitida duas vezes ao dia (às 8:00 horas e as 16:00 horas).

 

 

AVALIAÇÃO E CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Ao escrever para a Rádio Universitária sobre temas que nos inquietam e/ou interessam, socializamos nossas opiniões, concepções e experiências que foram adquiridas/vividas antes e durante a graduação, proporcionando reflexões para a construção do nosso processo de formação pessoal/profissional, produzindo, assim, saberes e conhecimentos importantes.

 

Não temos como mensurar se houve ou não impacto entre os ouvintes, uma vez que a Rádio Universitária não realiza pesquisas qualitativas de audiência e nem a contratação de profissionais que realizam esse trabalho. Entretanto, esperamos ter proporcionado ao público a ampliação do conhecimento da área da Educação Física e a importância de exercer tal prática.  Na tentativa de obtermos retorno dos ouvintes em relação ao Programa e também de sua repercussão, criamos um e-mail para receber dúvidas, sugestões e opiniões, objetivando receber o feedback[9] dos ouvintes.

 

O retorno que tivemos em relação à participação dos alunos da graduação[10] não foi o esperado, com isso, no final do ano de 2010, traçamos metas e objetivos para aproximar os alunos do projeto. Decidimos, então, reafirmar a forma de divulgação anterior e, também, reforçá-la por meio de cartazes que convidem a comunidade acadêmica para ouvir o programa e para participarem da produção/elaboração dos textos, fazer a divulgação dos programas que forem ao ar via e-mail das turmas do Curso, a fim de atender à filosofia do PET.  

 

Isto posto, fazemos até o momento uma avaliação positiva do programa “Educação Física no Ar”. Além de este nos ter proporcionado a vivência de novos espaços da/na Universidade, nos proporcionou a oportunidade de construir novas experiências de aprendizagem, experimentar uma ampliação do acesso à informação sobre a Educação Física para além dos muros da Universidade e ampliar nossos conhecimentos, pois, ao elaborarmos os textos, somos convidados a pesquisar áreas de conhecimento que estão além do que é ofertado na grade curricular do CEFD/UFES.

 

Por último, de certo modo, nos permitimos ousadamente a pensar o Projeto como uma tentativa de resgate do elo existente entre a Rádio e a Educação Física, que se perdeu desde o fim do programa “Hora da Ginástica” (início da década de 80), apresentado pelo professor Oswaldo Diniz Magalhães, onde foi criada uma geração de “Rádio-Ginastas”, revivendo, assim, uma experiência quase que esquecida da Educação Física brasileira.

 

 

REFERÊNCIAS

 

Carvalho, M. L. M, Carvalho, B. C. M. A ligação entre a rádio e a educação por meio da analise de historicidade da Escola Técnica Estadual Carlos de Campos, 2005. Disponível em <http://www.radioeducativo.org.br/arti ... %C3%A7%C3%A3ocaca2005.pdf > acesso em 07 de Abril de 2011.

 

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – MEC. Manual de Orientações Básicas, 2006. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index. php?Itemid=480&catid=232%3Apet-programa-de-educacao-tutorial&id=12228%3Aprograma-de-educacao-tutorial-pet&option=com_content&view=article> acesso em 07 de Abril de 2011.

 

SOUZA, E.C.; MIGNOT, A.C.V. (Org.). História de vida e formação de professores. Rio de Janeiro: Quart: Faperj, 2008, p. 169-196.

 

UM Reconhecimento aos Ilustres Mestres da Educação Física. Revista EF, Dezembro, 2003, p.4-14. Disponível em < http://www.gices-sc.org/HistoriaGinasticanoRadio.pdf> acesso em 07 de Abril de 2011.



[1] Tutor do Programa de Educação Tutorial (PET).

[2] Bolsistas do Grupo do Programa de Educação Tutorial (PET).

[3] PET (Programa de Educação Tutorial), CEFD (Centro de Educação Física e Desportos), UFES (Universidade Federal do Espírito Santo).

[4] A Rádio Universitária é localizada no campus de Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo.

[5]  Copa do Mundo da FIFA – 2010, África do Sul.

[6] De setembro a dezembro de 2010 foram transmitidos 180 programas, lembrando que alguns dos textos foram transmitidos mais de uma vez.

[7] Essas orientações eram dadas pelos produtores e/ou coordenadores da Rádio no momento em que a dupla do dia fosse gravar. Essas informações dadas a dupla eram trazidas e expostas ao grupo PET para a socialização do conhecimento/experiência.

[8] Esta programação é a que está em funcionamento até os dias de hoje.

[9] Palavra em inglês que no português significa retorno, resposta, crítica, análise crítica.

[10] O Centro de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Espírito Santo oferecem a formação em Licenciatura ou Bacharelado



Programa de Educação Tutorial Física Física (CEFD-UFES)

Navegue pelos artigos
Prévia do artigo MARELY, R. P. ; SILVA JUNIOR, F.R. ; EUZÉBIO, B.M. ; SILVEIRA, V. J. ; BONZI, A. F. ; FIORIN, ALINE ; CARDOSO, J. T. ; SILVA, M. A. ; FREITAS, T. G. ; ARMONDES, W. S. . O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL (PET), O MERCADO DE TRABALHO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS PERCEPÇÕES DE SEUS EX-BOLSISTAS. In: XVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE E II CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 2009, SALVADOR-BA. ANAIS DO XVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE E II CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 2009. SILVA, O. G. T. ; VILETE, A. O. P. ; ROCHA, B. P. ; THOMPSON, D. R. ; SILVA, E. V. ; LORETE, J. C. ; ASSIS, L. C. ; FERREIRA, L. N. ; BARCELOS, M. ; MACHADO, M. F. ; GONCALVES, M. G. S. ; VALERIO, Q. B. S. ; FERREIRA, T. M. A. . O ensino da Educação Física no contexto do EJA na Grande Vitória: um estudo exploratório. 2011. (Apresentação de Trabalho/Congresso). Próximo artigo
avaliação 0.00/5
avaliação: 0.0/5 (0 votos)
Os votos estão desabilitados!